domingo, 17 de julho de 2016

Resumo livro "A Estratégia do Oceano Azul"

Este post é um resumo do livro "A Estratégia do Oceano Azul - 
Como Criar Novos Mercados e Tornar A Concorrência Irrelevante" dos autores 
Kim, W. Chan / Mauborgne, Renée.

Teve sua primeira edição lançada em 2005 e se tornou um clássico no mundo dos negócios e especial empreendedores, se tornado um best seller em todo o mundo. O tema abordado pelo livro é muito relevante e continua atual.

Os autores fazem a analogia que o Oceano Vermelho é o mercado comum, onde se encontram os concorrentes e a competição faz com que as empresas reduzam suas margens de lucro. Já o Oceano Azul, é o novo mercado, onde há pouca ou nenhuma concorrência e a oferta é composta de soluções inovadoras e de valor agregado.

Segundo os autores, a melhor forma de combater a concorrência não é competir diretamente e sim, sair do Oceano Vermelho e migrar para o Oceano Azul, tornando a concorrência irrelevante. No Oceano Azul a empresa pode focar numa estratégia de maior lucratividade de forma sustentável.

O livro é resultado do estudo de 150 cenários estratégicos de negócios em 30 diferentes nichos de mercados, alguns há mais de 100 anos. Como resultado desta análise, os autores destacam seis princípios que todas as empresas podem aplicar para desenvolver e executar com sucesso a estratégia do Oceano Azul.

O primeiro passo para implementar a estratégia do Oceano Azul, é olhar para o já existe, não somente com a idéia de copiar, mas sim de enxergar o que pode ser eliminado, o que ser reduzido, o que pode ser aumentado e finalmente o que pode ser criado. 

O Cirque Du Soleil é um dos principais casos de estudo de sucesso na criação de um Oceano Azul. Inovaram juntando o circo com o teatro e a dança, e ainda eliminaram o uso de animais no circo, que já há algum tempo é motivo de questionamento por parte da sociedade, que acredita que não se deve utilizar animais para diversão. 

Além disso, ao adotar o conceito de produções múltiplas e ao oferecer atrativos para idas mais frequentes ao circo, o Cirque Du Soleil promoveu forte aumento da demanda. Em outras palavras, o novo conceito oferece o melhor do circo e do teatro. Todo o resto foi eliminado ou reduzido. Ao proporcionar valor sem precedentes, o Cirque Du Soleil criou um Oceano Azul e inventou uma nova forma de entretenimento.

Para a criação da estratégia de um Oceano Azul, é necessário entregar necessariamente uma oferta de valor junto com a inovação.

Quando a empresa consegue criar o seu mercado no Oceano Azul, sai da briga por preço, que é comum no Oceano Vermelho. Redução de preço não é um diferencial sustentável.

Estes são os seis princípios da estratégia do Oceano Azul:

  1. Reconstrua as fronteiras do mercado
  2. Concentre-se no panorama geral, não nos números
  3. Vá além da demanda existente
  4. Acerte a sequência estratégica
  5. Supere as principais barreiras organizacionais
  6. Introduza execução na estratégia

Destaco abaixo um trecho do capítulo "Embuta a Execução na Estratégia" que não é novidade para ninguém, sobre superar desafios e sair do status quo.

"A empresa não é só alta administração e gerência intermediária. Seus resultados dependem do desempenho de todos, do topo às linhas de frente. E ela se destaca dos concorrentes por sua capacidade de execução somente quando todos os membros da organização estão alinhados com a estratégia e sempre dispostos a apoiá-la em todas as circunstâncias. A superação dos obstáculos organizacionais à estratégia é importante passo para esse fim, pois elimina os entraves que podem paralisar até a melhor das estratégias.
Mas, no final, a empresa precisa recorrer à base mais primordial de qualquer iniciativa: as atitudes e os comportamentos das pessoas, como parte integrante dos valores da organização. Deve-se promover uma cultura de confiança e comprometimento, que motive as pessoas a executar a estratégia combinada, não se limitando à observância da regra, mas impregnando de seu próprio espírito. O coração e a mente das pessoas precisam alinhar-se com a nova estratégia, de modo que, como indivíduos, a abracem de maneira espontânea, dispostos a ir além da execução compulsória e cooperando voluntariamente para a sua realização."


Adquira o seu exemplar no link abaixo:
Livraria Saraiva

3 comentários:

  1. Muito boa a explanação. Mas ainda falta muito para as organizações deixarem de apostar em "milagres" tecnológicos para focarem nas pessoas e em uma cultura organizacional que favoreça a troca de conhecimento. A tecnologia continua sendo importante, mas não é lá que reside o segredo, mas sim na cultura e na colaboração que propicie as inovações.É um trabalho difícil de ser realizado, não é deixar o colaborador "solto" e sem limites, mas também não é considerá-lo uma peça a mais no maquinário. Concordo com vc : "Deve-se promover uma cultura de confiança (...) que motive as pessoas a executar a estratégia combinada..."

    ResponderExcluir
  2. In other words, the new concept offers the best of circus and theater. Everything else has been eliminated or reduced. It helps us to organize family leisure.

    ResponderExcluir
  3. The explanation in the comment is very clear. Thank you and the blog is very cool.

    ResponderExcluir